Eu passarinho...



Confesso! Quando menino eu matei mais de um milhão de passarinhos. O meu pai pagava para a gente matar caturrita e proteger a horta da granja, mas a gente aproveitava e fazia a pontaria em todos eles: Beija-flor, periquito, sabiá, bem-te-vi e “corroera”. Era uma verdadeira chacina, que hoje vejo como muito horror! Claro, que se eu pudesse escolher não teria feito nada daquilo... Mas, o que faz um menino que ganha uma espingarda de presente? Agora já é tarde! Só resta essa minha cruel confissão.

Naquela época, na fronteira que fica ao sul do Brasil, o lado sombrio da vida era mais ou menos assim: além do frio de rachar, tinha um pouco de melancolia, algumas brigas banais, homens portando arma na cintura, etc. e tal. Enfim, tinha de tudo! A gurizada podia acompanhar os pais nas pescarias, nas caçadas, nas tosquias, na carneação de ovelhas... Também tinha um lado bucólico, pois a gente acabava conhecendo os matos silvestres, os riachinhos e a solidão dos campos.

Pensando bem, aqueles foram os meus anos de reconhecimento das contradições da vida. Mas, somente bem mais tarde, depois dos 16 e dos 19 anos, foi que eu comecei a refletir e a lapidar a minha sensibilidade com a natureza e com a vida em sociedade.

Nos anos 60 e 70, era “natural” essa tradição cultural passar de pai para filho sem quase a gente se aperceber. Pois, além de brincar na rua, as crianças ganhavam armas de brinquedo, podiam matar passarinhos, botar apelidos nos amigos(as), fazer folia nas salas de aula... Algumas dessas coisas que ainda insistem em permanecer entre nós... Após os 15 e 16 anos, além do jogo de cartas, estávamos “autorizados” a beber até cair... Muitos costumavam cheirar lança-perfume no Carnaval e a experimentar otras cositas más.

           A minha geração relutou e rompeu com boa parte dessa tradição cultural conservadora. Mas muitos não conseguiram sair desse círculo vicioso e permaneceram reproduzindo certas regras, etiquetas e protocolos herdados inconscientemente de seus pais e avós. Outros morreram pelo caminho... 

        E eu? Eu passarinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreve o teu comentário e não deixa de assinar. Para isso, abre a opção da caixa "COMENTAR COMO" e seleciona a opção NOME/URL. Aí, é só digitar o teu NOME e depois clicar no botão CONTINUAR.